segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

FABAMA - PORTUGUÊS II


Processos de Formação das Palavras
            De que maneira um idioma pode crescer, aumentar o número de palavras que o compõe? Cada língua tem seus mecanismos próprios de formação de novas palavras. No caso específico do português, existem vários  processos, sendo que os dois mais importantes são a derivação e a composição. Para que você possa diferenciar bem esses processos , vamos inicialmente fazer a distinção entre três tipos de palavras:

Palavra primitiva: é toda palavra que não nasce de outra, dentro da língua portuguesa,  podendo servir de ponto de partida para a formação de outras palavras.
EX.: rua, sol, pedra, cidade etc.
Palavra derivada: é toda palavra que se forma a partir de uma outra palavra pré-existente.

EX.: novidade (novo); ensolarada (sol).
Palavra composta: é toda palavra que se forma a partir da reunião de duas ou mais palavras (ou radicais).
EX.: pontapé (ponta+pé); azul-claro (azul+claro)
Os dois processo principais
Derivação
            É o processo pelo qual uma palavra nova (derivada) forma-se a partir de uma única outra palavra já existente (chamada primitiva). Em geral, a derivação se dá pelo acréscimo de prefixo ou sufixo à palavra primitiva.
            A derivação pode ocorrer das seguintes maneiras:

Derivação prefixal: quando acrescentamos um prefixo à palavra primitiva.
EX.: RE (prefixo) + fazer (palavra primitiva) = refazer (deriv. prefixal)
Derivação sufixal: quando acrescentamos um sufixo à palavra primitiva.
EX.: ponta (palavra primitiva) + EIRO (sufixo) = ponteiro (deriv. sufixal)
Derivação parassintética (ou parassíntese): ocorre quando a um determinado radical acrescentam-se, ao mesmo tempo, um prefixo e um sufixo.
EX.: RE (prefixo) + pátria (palavra primitiva) + AR (sufixo) = repatriar (parassíntese)
OBS: A palavra só é formada por parassíntese se, ao tirarmos o prefixo ou o sufixo, ela deixar de ter sentido. Não existe, por exemplo, patriar. Se, tirando o prefixo ou o sufixo, a palavra continuar com sentido, dizemos que ela foi formada por derivação prefixal e sufixal. Ex.: infelizmente.
Derivação regressiva: nesse caso, ao contrário dos anteriores, a palavra não aumenta sua forma, e sim diminui, reduz-se.
Esse processo dá origem, principalmente,  a substantivos a partir de verbos e ocorre com a substituição da terminação do verbo pelas desinências A, E, O.
Convém notar que todo substantivo formado por derivação regressiva termina em A, E ou O e indica uma ação.
Para exemplificar esse processo, vamos considerar as duas palavra grifadas na frase:

O resgate dos passageiros foi feito através da âncora.

resgate: termina em e e indica a ação de resgatar, portanto é formada por derivação regressiva.

âncora: termina em a, mas não indica ação, portanto não é formada por derivação regressiva. Trata-se de uma palavra primitiva.
Derivação imprópria: é a passagem de uma palavra que pertencente a determinada classe gramatical (substantivo, adjetivo, advérbio etc.) para outra classe.
EX.: fumar (é verbo) --> o fumar (é substantivo)
            claro (é adjetivo) --> ela fala claro (é advérbio)
Note que a palavra muda de classe gramatical sem sofrer modificação em sua forma.
Composição
            Uma palavra é formada por composição quando, para constituí-la, juntam-se duas ou mais palavras (ou radicais).
            A composição pode ser de dois tipos:
Composição justaposição: quando as duas (ou mais) palavras que se juntam não perdem nenhum fonema, mantendo, por isso, a pronúncia que apresentam antes da composição.
EX.: passatempo (passa + tempo); couve-flor (couve + flor); girassol (gira + sol); pé-de-moleque (pé + de + moleque)
Composição por aglutinação: quando pelo menos uma das palavras que se unem perde um ou mais fonemas, sofrendo, assim, uma mudança em sua pronúncia.
EX.: petróleo (petra + óleo); fidalgo (filho + de + algo).

Os processos secundários
Além dos dois processos principais já estudados (derivação e composição), temos ainda dois outros processos que, embora menos importantes, também contribuem para a formação de novas palavras em português. São eles:
Hibridismo: uma palavra é formada por hibridismo quando na constituição dela entram palavras pertencentes a idiomas diferentes.
EX.: sócio (latim) + logia (grego) = sociologia
Onomatopéia: quando a palavra nasce de uma tentativa de reproduzir os sons da natureza.
EX.: tique-taque, reco-reco, zunzum.
Campo Lexical e Campo Semântico

Campo Lexical é um conjunto de palavras cuja formação partiu de um radical comum. A composição e derivação são os processos de formação das palavras de um mesmo campo lexical. A noção de campo lexical é sinônima da de família de palavras. Por exemplo, para a palavra carro, podemos formar um campo lexical com as seguintes palavras: carrinho, carrão, carrossel, carruagem, carroça, etc. 

Campo Semântico é um conjunto estruturado de unidades lexicais, expressões lexicalizadas ou outras unidades linguísticas unidas semanticamente por traços comuns em torno de um conceito-chave. Exemplos: Campo semântico de morte: bater as botas; ir desta para melhor; apagar-se, vida eterna, separação, choro...
Campo semântico de  futebol: gol, pênalti, escanteio, zagueiro, etc.


Radicais e prefixos Gregos
Radicais:
Radical
Sentido
Exemplo
acro
alto, elevado
Acrobata
aero
ar
Aeronáutica
agogo
o que conduz
algia
dor
nevralgia (nervo + dor)
amaxo
carro
amaxofobia (carro + aversão)
andro
homem
andróide
antropo
homem
antropologia
arcaio/ arqueo
antigo
arqueologia
arquia
governo
monarquia
auto
por si mesmo
automóvel
biblio
livro
biblioteca
bio
biologia
caco
mau
cacofonia
cali
belo
caligrafia
cardio
coração
cardiologista
cefalo
cabeça
acéfalo (ausência + cabeça)
cloro
verde
clorofila
cosmo
cosmonauta
crono
tempo
cronômetro
demo
povo
demagogo
derma
pele
dermatologia
filo
amigo
filosofia
fobia
medo/aversão
acrofobia
fone
som/voz
telefone
gamia
casamento
poligamia
gastro
estômago
gastrologia
grafo
escrever/descrever
datilografia
hidro
água
hidrofobia
hipo
cavalo
hipódromo
lito
pedra
aerólito
mancia
adivinhação
quiromancia
metro
medida
hidrômetro
morfo
forma
morfologia
necro
morte
necrotério
neo
novo
neologismo
oligo
poucos
oligarquia
ped
criança
Pediatra
pleo
cheio
pleonasmo
poli
cidade
acrópole
proto
primeiro
protótipo
pseudo
falso
pseudônimo
psico
alma
psicologia
rizo
raiz
rizotônico
sofia
sabedoria
filosofia
taqui
rápido
taquicardia
teo
deus
teologia
topo
lugar
topologia
xeno
estranho, estrangeiro
xenofobia
zoo
animal
zoologia

Outra listagem
Forma
Sentido
Exemplos
Aero-
ar
Aeronave
Antropo-
homem
Antropologia
Arqueo-
antigo
Arqueologia
Auto
de si mesmo
Autobiografia
Biblio-
livro
Biblioteca
Bio-
vida
Biologia
Cali-
belo
Caligrafia
Cosmo-
mundo
Cosmologia
Cromo-
cor
Cromossomo
Crono-
tempo
Cronologia
Dactilo-
dedo
Dactilografia
Deca-
dez
Decaedro
Demo-
povo
Democracia
di-
dois
Dissílabo
Ele( c )tro-
(âmbar) eletricidade
Eletroímã
Enea-
nove
Eneágono
Etno-
raça
Etnologia
Farmaco-
medicamento
Farmacologia
Filo-
amigo
Filologia
Fisio-
natureza
Fisionomia
Fono-
voz, som
Fonologia
Foto-
fogo, luz
Fotosfera
Geo-
terra
Geografia
Hemo-
sangue
Hemorragia
Hepta-
sete
Heptágono
Hetero-
outro
Heterogêneo
Hexa-
seis
Hexágono
Hidro-
água
Hidrogênio
Hipo-
cavalo
Hipopótamo
Ictio-
peixe
Ictiologia
Iso
igual
Isósceles
Lito-
pedra
Litografia
Macro-
grande, longo
Megalomaníaco
Mega-
grande
Megalomaníaco
Melo-
canto
Melodia
Meso-
meio
Mesóclise
Micro-
pequeno
Micróbio
Mito-
fábula
Mitologia
Mono-
um só
Monarca
Necro-
morto
Necrotério
Neo-
novo
Neolatino
Octo-
oito
Octaedro
Odonto-
dente
Odontologia
Oftalmo-
olho
Oftalmologia
Onomato-
nome
Onomatopéia
Orto-
reto, justo
Ortodoxo
Oxi-
agudo, penetrante
Oxítono
Paleo-
antigo
Paleontologia
Pan-
todos, tudo
Pan-americano
Pato-
doença
Patologia
Penta-
cinco
Pentágono
Piro-
fogo
Pirotecnia
Poli-
muito
Poliglota
Potamo-
rio
Potamografia
Proto-
primeiro
Protozoário
Pseudo-
falso
Pseudônimo
Psico-
alma, espírito
Psicologia
Quilo-
mil
Quilograma
Quiro-
mão
Quiromancia
Rino-
nariz
Rinoceronte
Rizo-
raiz
Rizotônico
Tecno-
arte
Tecnografia
Termo-
quente
Termômetro
Tetra-
quatro
Tetraedro
Tipo-
figura, marca
Tipografia
Topo-
lugar
Topografia
Tri-
três
Trissílabo
Zoo-
Animal
Zoologia




Prefixos de origem grega

Prefixo
Sentido
Exemplo
a-, an-
negação
ateu, anarquia
ana-
inversão
anagrama
anfi-
duplicidade
anfíbio
anti-
ação contrária
antipatia
apo-
separação
apóstata
arque-, arqui-, arce-
superioridade
arquétipo, arcebispo
cata
movimento para baixo
cataclismo
dia-
movimento através
diagonal
dis-
dificuldade
dispnéia
e-, en-
posição interna
elipse, encéfalo
ec-, ex-
posição superior, movimento para fora
eclipse, exorcismo
endo-
posição interior
endoscopia
epi-
posição superior
epitáfio, epiderme
eu-
bem, bom
eufemismo
hiper-
excesso, posição superior
hipertensão
hipo-
deficiência
hipodérmico
meta-
mudança, transformação
metamorfose, metáfora
para-
ao lado de, proximidade
paralelo
peri-
em torno de
perímetro
pro-
anteriormente
prólogo, prognóstico
sin-
simultaneidade
simpatia, sincrônico

Radicais Latinos

Os Radicais mais conhecidos de origem latina em português:
 1º elemento da composição
Forma
Sentido
Exemplo
Agri
Campo
Agricultura
Ambi
Ambos
Ambidestro
Arbori-
Árvore
Arborícola
Bis-, bi-
Duas vezes
Bípede, bisavô
Calori-
Calori- Calor
Calorífero
Cruci-
cruz
Crucifixo
Curvi-
curvo
Curvilíneo
Equi-
igual
Equilátero, eqüidistante
Ferri-, ferro-
ferro
Ferrífero, ferrovia
Loco-
lugar
Locomotiva
Morti-
morte
Mortífero
Multi-
muito
Multiforme
Olei-, oleo-
Azeite, óleo
Oleígeno, oleoduto
Oni-
todo
Onipotente
Pedi-
Pedilúvio
Pisci-
peixe
Piscicultor
Pluri-
Muitos, vários
Muitos, vários Pluriforme
Quadri-, quadru-
quatro
Quadrúpede
Reti-
reto
Retilíneo
Semi-
metade
Semimorto
Tri-
Três
Tricolor

2º Elemento da Composição
Forma
Sentido
Exemplos
-cida
Que mata
Suicida, homicida
-cola
Que cultiva, ou habita
Arborícola, vinícola, silvícola
-cultura
Ato de cultivar
Piscicultura, apicultura
-fero
Que contém, ou produz
Aurífero, carbonífero
-fico
Que faz, ou produz
Benefício, frigorífico
-forme
Que tem forma de
Uniforme, cuneiforme
-fugo
Que foge, ou faz fugir
Centrífugo, febrífugo
-gero
Que contém, ou produz
Belígero, armígero
-paro
Que produz
Ovíparo, multíparo
-pede
Velocípede, palmípede
-sono
Que soa
Uníssono, horríssono
-vomo
Que expele
Ignívomo, fumívomo
-voro
Que come
Carnívoro, herbívoro


COLOCAÇÃO PRONOMINAL
            É o estudo da colocação dos pronomes oblíquos átonos (me, te, se, o, a, lhe, nos, vos, os, as, lhes) em relação ao verbo. Esses pronomes se unem aos verbos porque são “fracos” na pronúncia.
            Os pronomes átonos podem ocupar 3 posições: antes do verbo (próclise), no meio do verbo (mesóclise) e depois do verbo (ênclise).
PRÓCLISE
Usamos a próclise nos seguintes casos:
(1) Com palavras ou expressões negativas: não, nunca, jamais, nada, ninguém, nem, de modo algum.
- Nada me perturba.
- Ninguém se mexeu.
- De modo algum me afastarei daqui.
- Ela nem se importou com meus problemas.
(2) Com conjunções subordinativas: quando, se, porque, que, conforme, embora, logo, que.
- Quando se trata de comida, ele é um “expert”.
- É necessário que a deixe na escola.
- Fazia a lista de convidados, conforme me lembrava dos amigos sinceros.
(3) Advérbios
- Aqui se tem paz.
- Sempre me dediquei aos estudos.
- Talvez o veja na escola.


OBS: Se houver vírgula depois do advérbio, este (o advérbio) deixa de atrair o pronome.
- Aqui, trabalha-se.
(4) Pronomes relativos, demonstrativos e indefinidos.
- Alguém me ligou? (indefinido)
- A pessoa que me ligou era minha amiga. (relativo)
- Isso me traz muita felicidade. (demonstrativo)
(5) Em frases interrogativas.
- Quanto me cobrará pela tradução?
(6) Em frases exclamativas ou optativas (que exprimem desejo).
- Deus o abençoe!
- Macacos me mordam!
- Deus te abençoe, meu filho!
(7) Com verbo no gerúndio antecedido de preposição EM.
- Em se plantando tudo dá.
- Em se tratando de beleza, ele é campeão.
(8) Com formas verbais proparoxítonas
- Nós o censurávamos.
MESÓCLISE
            Usada quando o verbo estiver no futuro do presente (vai acontecer – amarei, amarás, …) ou no futuro do pretérito (ia acontecer mas não aconteceu – amaria, amarias, …)


- Convidar-me-ão para a festa.
- Convidar-me-iam para a festa.
Se houver uma palavra atrativa, a próclise será obrigatória.
- Não (palavra atrativa) me convidarão para a festa.
ÊNCLISE
Ênclise de verbo no futuro e particípio está sempre errada.
- Tornarei-me……. (errada)
- Tinha entregado-nos……….(errada)
Ênclise de verbo no infinitivo está sempre certa.
- Entregar-lhe (correta)
- Não posso recebê-lo. (correta)
Outros casos:
- Com o verbo no início da frase: Entregaram-me as camisas.
- Com o verbo no imperativo afirmativo: Alunos, comportem-se.
- Com o verbo no gerúndio: Saiu deixando-nos por instantes.
- Com o verbo no infinitivo impessoal: Convém contar-lhe tudo.
OBS: se o gerúndio vier precedido de preposição ou de palavra atrativa, ocorrerá a próclise:
- Em se tratando de cinema, prefiro o suspense.
- Saiu do escritório, não nos revelando os motivos.

COLOCAÇÃO PRONOMINAL NAS LOCUÇÕES VERBAIS
Locuções verbais são formadas por um verbo auxiliar + infinitivo, gerúndio ou particípio.

AUX + PARTICÍPIO: o pronome deve ficar depois do verbo auxiliar. Se houver palavra atrativa, o pronome deverá ficar antes do verbo auxiliar.
- Havia-lhe contado a verdade.
- Não (palavra atrativa) lhe havia contado a verdade.
AUX + GERÚNDIO OU INFINITIVO: se não houver palavra atrativa, o pronome oblíquo virá depois do verbo auxiliar ou do verbo principal.
Infinitivo
- Quero-lhe dizer o que aconteceu.
- Quero dizer-lhe o que aconteceu.
Gerúndio
- Ia-lhe dizendo o que aconteceu.
- Ia dizendo-lhe o que aconteceu.
Se houver palavra atrativa, o pronome oblíquo virá antes do verbo auxiliar ou depois do verbo principal.
Infinitivo
- Não lhe quero dizer o que aconteceu.
- Não quero dizer-lhe o que aconteceu.
Gerúndio
- Não lhe ia dizendo a verdade.
- Não ia dizendo-lhe a verdade.

EXERCÍCIOS
Marque C para o que estiver correto e I para o que estiver incorreto:


1)    (  )  O presente é a bigorna onde se forja o futuro (próclise)
2)    (  )  Nossa vocação molda-se às necessidades (ênclise)
3)    (  )  Se não fosse a chuva, acompanhar-te-ia (mesóclise)
4)    (  )  Macacos me mordam!
5)    (  )  Caro amigo, muito lhe agradeço o favor...
6)    (  )  Ninguém socorreu-nos naqueles  momentos difíceis
7)    (  )  As informações que se obtiveram, chocavam-se entre si
8)    (  )  Quem te falou a respeito do caso?
9)    (  )  Não foi trabalhar porque machucara- se na véspera
10)  (  )  Não só me trouxe o livro, mas também me deu presente
11)  (  )  Ele chegou e perguntou-me pelo filho
12)  (  )  Em se tratando de esporte, prefere futebol
13)  (  )  Vamos, amigos, cheguem-se aos bons
14)  (  )  O torneio iniciar-se-á no próximo Domingo
15)  (  )  Amanhã dizer-te-ei todas as novidades
16)  (  )  Os alunos nos surpreendem com suas tiradas espirituosas
17)  (  )  Os amigos chegaram e me esperam lá fora
18)  (  )  O torneio iniciará-se  no  próximo domingo
19)  (  )  oferecida-lhes as explicações, saíram felizes
20)  (  )  Convido-te a fazeres-lhes,  essa gentileza
21)  (  )  Para não falar- lhe, resolveu sair cedo
22)  (  )  É possível que o leitor nos não creia
23)  (  )  A turma quer-lhe, fazer uma surpresa
24)  (  ) A  turma havia convidado-o para sair
25)  (  )  Ninguém podia ajudar-nos naquela hora
26)  (  )  Algumas haviam-nos contado a verdade
27)  (  )  Todos se estão entendendo bem
28)  (  )  As meninas não tinham nos convidado para sair
29)  Assinale a frase com erro de colocação pronominal:
a)  Tudo se acaba com a morte, menos a saudade
b)  Com muito prazer, se soubesse, explicaria-lhe tudo
c)  João tem-se interessado por suas novas atividades
d)  Ele estava preparando-se para o vestibular de Direito
30)  Assinale a frase com erro de colocação pronominal:
a)  Tudo me era completamente indiferente
b)  Ela  não me deixou concluir a frase
c)  Este casamento não deve realizar-se
d)  Ninguém havia lembrado-me de fazer as reservas

31)  Assinale a frase incorreta:
a)  Nunca mais encontrei o colega que me emprestou o livro
b)  Retiramo-nos do salão, deixando-os sós
c)  Faça boa viagem! Deus proteja-o
d)  Não quero magoar-te, porém não posso deixar de te dizer a verdade
33)  Assinale a colocação inaceitável:
a)  Maria Oliva convidou-o
b)  Se abre a porta da caleça por dentro
c)  Situar-se-ia Orfeu numa gafieira?
d) D. Pedro II o convidou 
34)  O pronome pessoal oblíquo átono está bem colocado em um só dos períodos. Qual?
a)  Isto me não diz respeito! Respondeu-me ele, afetadamente
b)  Segundo deliberou-se na sessão, espero que todos apresentem-se na hora conveniente
c)  Os conselhos que dão-nos os pais, levamo-los em conta mais tarde
d)  Amanhã contar-lhe-ei por que peripécias consegui não envolver-me 
35)  Estas conservas são para nós __________ durante o inverno.
Assinale a alternativa que completa corretamente a lacuna:
a)  alimentarmos- nos
b)  alimentar- mo- nos
c)  nos alimentarmos
d)  nos alimentarmo- nos


Verbos Abundantes
Verbos abundantes são aqueles que apresentam duas formas de mesmo valor. Geralmente ocorrem no particípio, que chamaremos de particípio regular, terminado em -ado, -ido, usado na voz ativa, com o auxiliar ter ou haver, e particípio irregular, com outra terminação diferente, usado na voz passiva, com o auxiliar ser ou estar.

PRIMEIRA CONJUGAÇÃO
Infinitivo /Particípio regular / Particípio irregular
aceitar: aceitado / aceito/aceite
entregar: entregado / entregue
enxugar: enxugado / enxuto
expressar: expressado / expresso
expulsar: expulsado / expulso
fartar: fartado / farto
findar: findado / findo
isentar: isentado / isento
matar: matado / morto
salvar: salvado / salvo
soltar: soltado / solto
vagar: vagado / vago
SEGUNDA CONJUGAÇÃO
acender: acendido / aceso
benzer: benzido / bento
eleger: elegido / eleito
envolver: envolvido / envolto
incorrer: incorrido / incurso
morrer: morrido / morto
nascer: nascido / nato
prender: prendido / preso
romper: rompido / roto
suspender: suspendido / suspenso
TERCEIRA CONJUGAÇÃO - emergir: emergido / emerso
erigir: erigido / ereto
exprimir: exprimido / expresso
extinguir: extinguido / extinto
frigir: frigido / frito
imergir: imergido / imerso
imprimir: imprimido / impresso
incluir: incluído / incluso
inserir: inserido / inserto
omitir: omitido / omisso
submergir: submergido / submerso
tingir: tingido / tinto

Observações:
1) Os particípios regulares empregam-se na voz ativa, ou seja, acompanhados dos verbos auxiliares “ter” ou “haver”.
2) Os particípios irregulares empregam-se na voz passiva, ou seja, acompanhados dos verbos auxiliares “ser” ou “estar”.
3) Somente as formas irregulares podem ser usadas como adjetivo, por isso elas combinam com ser, estar, ficar, andar, ir e vir.
4) A forma “morto” é particípio irregular de “matar” e “morrer”.
5) A forma “roto” é mais empregada atualmente como adjetivo.
6) O verbo “imprimir” possui duplo particípio somente no sentido de “estampar”, “gravar”. Já no sentido de “infundir”, “produzir movimento” só possui a forma regular: imprimido.
7)  O particípio irregular “chego” do verbo “chegar”, comum na linguagem popular, ainda não é registrado por nenhum gramático.
VERBOS QUE SÓ POSSUEM O PARTICÍPIO IRREGULAR
ganhar: ganho  / gastar: gasto
pagar: pago / dizer: dito
escrever: escrito / fazer: feito
ver: visto / pôr: posto
abrir: aberto / cobrir: coberto
vir: vindo
Observações:
1) O verbo “vir” faz o particípio e o gerúndio de uma única forma: “vindo”.
2) Apesar do desuso, as formas regulares “gastado”, “ganhado” e “pagado” podem ser empregadas.

Verbos Defectivos
            São aqueles que possuem conjugação incompleta, ou seja, não se conjugam em todos os modos, tempos e pessoas. Podem ser conjugados apenas nas formas arrizotônicas, ou melhor, nas formas cuja vogal tônica permanece fora do radical.

            Os motivos pelos quais esse fato ocorre são variados: alguns verbos se fossem conjugados iriam se confundir com outros, como é o caso de “falar” e “falir”, os quais na 1ª pessoa do indicativo ficariam do mesmo modo “falo”. Assim, somente o verbo “falar” tem conjugação na primeira pessoa do singular do presente do indicativo.

           
Além do problema de equívoco que os verbos defectivos poderiam causar, como exposto anteriormente, há ainda outras causas: algumas formas são repudiadas por questão de provocarem sons desagradáveis, ou por não serem usuais, ou por desenvolverem conotações pejorativas.

São exemplos de verbos defectivos: adequar, falir, doer, reaver, abolir, banir, brandir, carpir, colorir, delir, explodir, ruir, exaurir, demolir, puir, delinqüir, fulgir (resplandecer), feder, aturdir, bramir, esculpir, extorquir, retorquir, soer (costumar: ter costume de), etc.

            Estes verbos, em sua maioria, são conjugados apenas na primeira e segunda pessoa do plural do modo indicativo, na segunda pessoa do plural do modo imperativo e não possuem flexões no presente do subjuntivo.

            A  fixação dos modos de se conjugar os verbos depende muito dos falantes e, portanto, pode ser alterada, conforme os usuários da língua comecem a utilizar determinada forma. Este fato está ocorrendo com o verbo “adequar”, flexões como “adéquo”, “adeqúa” vem sendo empregadas pelos falantes. Quem sabe em breve todas as flexões deste verbo serão “corretas” para os gramáticos? Pois isso já aconteceu antes com os verbos polir, emergir, agir.

Observamos que o fato de um verbo ser caracterizado como defectivo, não quer dizer que será assim o tempo todo. A língua é viva e nós, como falantes nativos, podemos adequar a escrita à fala, de acordo com a necessidade da época em que estamos.

Gerúndio: de Camões ao telemarketing | Leonardo Fontenelle
 “O uso do gerúndio pode ser tão irritante que até levou a um neologismo: gerundismo. O gerúndio faz parte da língua portuguesa, tanto culta quanto popular, mas tem colecionado opositores nas últimas décadas. O governador do Distrito Federal, por exemplo, demitiu o gerúndio; e um portal de notícias propôs um Dia Sem Gerúndio. Na verdade, o problema não é o gerúndio em si, mas sim o que ele às vezes indica: falta de compromisso.
“O gerúndio é especialmente irritante quando indica futuro em andamento (vou estar enviando). Essa forma é corriqueira na língua inglesa, e por isso algumas pessoas acham que o gerúndio é uma espécie de anglicismo. Na verdade, o gerúndio sempre fez parte da língua portuguesa, e foi herdado do latim. Os Lusíadas, obra clássica da língua portuguesa, é repleta de gerúndio. Curiosamente, hoje os portugueses usam o infinitivo gerundivo (estou a escrever), enquanto os brasileiros usam a forma clássica (estou escrevendo).
“Expressões como estarei escrevendo são aceitas quando realmente indicam uma ação contínua, que se estenda por todo um período (À tarde estarei escrevendo), ou quando indicam uma ação concomitante, que acontece ao mesmo tempo que outra à qual se refira o texto (Quando você chegar estarei escrevendo). O gerundismo acontece quando o gerúndio é usado no lugar do infinitivo, ou seja, quando ao invés de dizer vou providenciar a pessoa diz vou estar providenciando.

“Como Vladimir Melo comentou, José Roberto Arruda (ex-governador do DF) deveria ter demitido o gerundismo, e não o gerúndio. O gerundismo é usado de forma artificial para indicar gentileza e formalidade no discurso. Pior ainda, indica falta de compromisso por parte do locutor, seja por falta de autonomia, seja por falta de interesse. Enfim, o pior do gerundismo é o uso do gerúndio para desculpa de ineficiência, que é justamente o que o governo do Distrito Federal proibiu no decreto.“Seria bom podermos demitir a própria ineficiência…”

Concordância verbal

        INÚTIL – Ultraje a Rigor


            A gente não sabemos escolher presidente
            a gente não sabemos tomar conta da gente
            a gente não sabemos nem escovar os dentes
            tem gringo pensando que nós é indigente.

                        Inútil
                        a  gente somos inútil
            A gente faz carro e não sabe guiar
            a gente faz trilho e não tem trem pra botar
            a gente faz filho e não consegue criar
            a gente pede grana e não consegue pagar.

                        Inútil
                        a gente somos inútil
            A gente faz música e não consegue cantar
            a gente escreve livro e não consegue publicar
            a gente escreve peça e não consegue encenar
            a gente joga bola e não consegue ganhar.
                        Inútil
                        a   gente somos inútil.


É claro que o grupo ULTRAJE A RIGOR estava ironizando ao repetir que “a gente somos inútil”.  Nesta situação temos duas opções corretas, uma mais coloquial: a gente é inútil” e uma mais culta: Nós somos inúteis.” A essa combinação entre o verbo e o sujeito chamamos  concordância verbal.

CONCORDÂNCIA DO VERBO COM O SUJEITO SIMPLES

1.    Quando o sujeito for representado por um substantivo coletivo, o verbo ficará no singular.

Ex.:   A torcida  invadiu o campo e agrediu o juiz.

OBS.:  Admite-se verbo no plural quando o sujeito coletivo estiver distante do verbo ou acompanhado de adjunto.

Ex.:  O elenco se reuniu e, depois de quinze minutos e muita discussão, resolveram (ou resolveu) continuar o espetáculo.
        O grupo de estudantes gritavam (ou gritava) palavras de ordem.

2.    Se o sujeito for representado por nomes próprios de lugar ou títulos de obra precedidos de artigo no plural, o verbo ficará no plural.

Ex.:  Os Estados Unidos estão concedendo ajuda financeira ao países assolados pela seca.

OBS.:  Se não houver artigo ou se o artigo estiver no singular, o verbo ficará no singular.
                        Ex.:  Contos novos é uma das obras de Mário de Andrade.
                                 O Amazonas  nasce em território peruano.


3.    Se o sujeito for um pronome de tratamento, o verbo ficará na 3a pessoa.
Ex.: Vossa  Senhoria  está melhor agora?

4.    Quando o sujeito for representado pelo pronome relativo QUE, o verbo concordará com o antecedente do pronome.
Ex.: Hoje somos nós que cuidaremos de tudo.

5.    Quando o pronome for representado pelo pronome relativo QUEM , o verbo, no padrão literário tradicional, ficará na 3a pessoa do singular. Modernamente, aceita-se também a concordância com o antecedente do pronome.
Ex.: Fui eu quem fez o trabalho. /  Fui eu quem fiz o trabalho.

6.    Quando o sujeito for o pronome relativo da expressão UM DOS QUE,  o verbo ficará  no plural (mais comum) ou no singular (mais raro).

Ex.: Era uma das pessoas que mais desconfiavam (ou desconfiava) de nós.

7.     Quando o sujeito for um pronome interrogativo ou indefinido singular seguido das expressões DE NÓS, DE VÓS, DENTRE NÓS, DENTRE VÓS, o verbo ficará na 3a pessoa do singular.

Ex.:  Qual de nós apitará  o jogo amanhã?
        Algum dentre vós é o culpado.

OBS.: Se o pronome interrogativo ou indefinido estiver no plural, o verbo ficará na 3a pessoa do plural ou concordará com o pronome pessoal da expressão.

Ex.: Quantos de nós sabemos da verdade?
      Quantos de nós sabem da verdade?

8.    Quando o sujeito for expressão partitiva: PARTE DE, UMA PORÇÃO DE, METADE DE, A MAIORIA DE, GRANDE PARTE DE, A MAIOR PARTE DE seguida de um substantivo no plural, o verbo ficará no singular ou no plural:

Ex.:  A maioria dos funcionários preferiu (ou preferiram) férias coletivas.

9.    Quando o sujeito contiver uma expressão que denota quantidade aproximada: CERCA DE, PERTO DE, MAIS DE, MENOS DE, o verbo concordará com o numeral que a acompanha.

Ex.: Cerca de dez mil pessoas assistiram ao campeonato mundial de futebol.
      Mais de uma pessoa socorreu as vítimas do incêndio.

OBS.: Se a expressão MAIS DE UM estiver associada a verbos com ideia de reciprocidade, o verbo ficará no plural.

Ex.: Mais de um atleta se abraçaram entusiasticamente. (uns aos outros)

CONCORDÂNCIA DO VERBO COM O SUJEITO COMPOSTO

1.    Se o sujeito composto estiver anteposto ao verbo, este ficará no plural.

Ex.:  O diretor e o secretário compareceram à reunião.

OBS.: O sujeito composto anteposto admitirá também verbo no singular quando os núcleos do sujeito:

·         apresentarem ideia de gradação:Uma raiva, uma inveja, um ódio imenso, tomou (ou tomaram) conta de seu coração.

·         forem sinônimos: Minha segurança e firmeza deixou-a (ou deixaram-na) perplexa.


·         forem formados por infinitivos: Ler e praticar esportes faz bem ao corpo e à mente. Entretanto, se os infinitivos forem antônimos, o verbo só poderá ficar no plural: Amar e sofrer são próprios do ser humano.

·         forem resumidos por um pronome indefinido com função sintática de aposto, com o qual o verbo deve, obrigatoriamente, concordar: Música, festas, reuniões, TUDO  o aborrece.


2.    Se o sujeito composto estiver posposto ao verbo, este concordará com o núcleo mais próximo ou com todos, ficando no plural.

Ex.: Está em férias o pai, a mãe e o filho.
      Estão em férias o pai, a mãe e o filho.

3.    Se o sujeito composto for constituído por pessoas gramaticais diferentes, o verbo ficará no plural, concordando com a pessoa que prevalece (a 1a pessoa prevalece sobre as demais, e a 2a sobre a 3a).

Ex.: Eu, tu e ele ficaremos juntos no grupo de teatro.
      Tu e ele sois amigos?

OBS.: Quando o sujeito é constituído por TU +  um elemento de 3a pessoa, o verbo pode também ficar na 3a pessoa do plural. Isso se deve ao uso pouco frequente da 2a pessoa do plural no Brasil.

Ex.: Tu e ele partistes (ou partiram) cedo demais.

4.    Se os elementos do sujeito estiverem unidos por OU, o verbo ficará no singular ou no plural, de acordo com o valor semântico da conjunção OU. Se ela exprimir:


·         exclusão – o verbo ficará no singular: João ou Pedro dirigirá o carro.

·         adição – o verbo ficará no plural: Cinema ou teatro agradam-me.

·         Retificação – o verbo concordará com o elemento mais próximo: O pai ou os pais dela virão falar com você.

5.    As expressões UM OU OUTRO e NEM UM NEM OUTRO exigem verbo no singular:
Ex.:  Nem um nem outro rapaz tinha a intenção de ficar.

6.    Se o sujeito for UM E OUTRO, o verbo ficará no singular ou no plural.

Ex.: Um e outro saiu (ou saíram).

7.    Se os núcleos do sujeito forem ligados por COM, o verbo ficará no plural.
Ex.: A mulher com as filhas entraram  na loja.

8.    Se os sujeitos forem ligados por conjunções do tipo TANTO...COMO, NÃO SÓ...MAS TAMBÉM, o verbo ficará no plural.

Ex.: Tanto Emília como Leonor estimam-no muito.


A CONCORDÂNCIA DO VERBO SER

A  concordância do verbo  de ligação SER  frequentemente oscila, ora se fazendo com o sujeito, ora com o predicativo. Dentre os vários casos, convém observar os seguintes:


1.    Quando um dos dois (predicativo ou sujeito) for ser humano ou pronome pessoal, a concordância se fará com a pessoa gramatical.
Ex.: Renato era as esperanças dos torcedores.
      A mais viva manifestação de entusiasmo da classe  são  eles.

2.    Quando um dos dois (predicativo ou sujeito) for nome de coisa e um tiver número diferente do outro, o verbo concordará, de preferência, com o que estiver no plural.
Ex.: Os livros são  a minha paixão.
      A minha paixão são esses discos antigos.

OBS.:  Neste caso, é possível também fazer-se a concordância com o elemento a que se quer dar realce.
Ex.: A vida  é  esperanças.

3.    Quando o sujeito for um dos pronomes tudo, isto, isso, aquilo, o verbo concordará de preferência com o predicativo.
Ex.: Aquilo eram  os restos do automóvel.
           
4.    Quando o verbo ser constituir, junto com seu predicativo, as expressões é muito, é pouco, é mais de,  é menos de, é tanto, especificando preço, peso, medida, quantidade, ele ficará invariável.  Ex.:  Cinco quilos de peixe é  muito. /   É  pouco vinte reais para a feira.


CASOS ESPECIAIS DE CONCORDÂNCIA VERBAL

1.    Os verbos transitivos diretos (ou transitivos diretos e indiretos) apassivados pelo pronome SE concordam com o sujeito.
Ex.: Discutiu-se  o projeto.
        Vendem-se  casas e terrenos a prazo.


OBS.:  Os demais verbos – de ligação, intransitivo e transitivo indireto - , quando seguidos de pronome SE (índice de indeterminação do sujeito), ficam na 3a pessoa do singular, já que seu sujeito é indeterminado.
      Ex.: Precisa-se de  serventes de pedreiro.

2.    Os verbos dar, bater e soar, na indicação de horas, concordam normalmente com o sujeito expresso hora(s):
Ex.: Deu  uma hora  há pouco.
       Bateram dez horas no relógio da matriz.

OBS.:  Esses verbos podem ter outros sujeitos, com os quais devem então concordar.
      Ex.: Deu(bateu, soou) dez horas o relógio da matriz.

3.    Os verbos impessoais, por não apresentarem sujeito (orações sem sujeito), ficam na 3a pessoa do singular (exceto  o verbo ser). Dentre eles destacam-se:

a)    os que indicam fenômenos da natureza: Relampejou a noite toda.

b)    o verbo haver no sentido de existir, acontecer:  Já houve duas discussões sérias entre nós.

c)    os verbos haver, fazer, estar, ir na indicação de tempo:
três dias não a vejo.
Faz dois anos que não tiro férias.
Está frio hoje!
Vai em dois ou mais anos que eles se separaram.
      
d)    nas indicações de hora e distância, o verbo ser, então impessoal, concorda com o predicativo: É uma hora.  São três horas. É um quilômetro. São cinco quilômetros.

e)    na indicação do dia do mês, o verbo ser  admite duas construções: É (dia) dez de julho. São dez (dias) de julho.


OBS.: Nas locuções verbais, o verbo impessoal transmite a sua impessoalidade ao verbo auxiliar:

      Ex.: Ainda deve haver ingressos para o espetáculo de amanhã.
              Está fazendo alguns dias que ela esteve aqui.

4.    A locução de realce É QUE  permanece invariável: Nós é que arcamos com as consequências.

5.    Nas frases em que ao verbo PARECER  segue-se um infinitivo, ocorrem dois tipos de concordância: Os exames parecem terminar mais cedo hoje. Os exames parece terminarem mais cedo hoje.

6.    A expressão HAJA VISTA pode ser empregada de três modos.
Ex.: Hajam vista os quadros deste pintor.
        Haja vista os quadros deste pintor.
        Haja vista aos  quadros deste pintor.


Exercícios

1.     Identifique as frases corretas quanto à concordância verbal:
a)     Existem móveis mais adequados, que poderão resolver seu problema de falta de espaço.
b)     Os Andes estendem-se da Venezuela à Terra do Fogo.
c)     Vossas Senhorias deveis tomar uma providência imediatamente.
d)     Um grupo de coreanos se responsabilizaram pela organização da Feira das Nações.
e)     A multidão em pânico corriam muito.

2.     Identifique, no trecho a seguir, as frases que apresentam erros de concordância verbal. Reescreva-as, adequando-as à linguagem escrita culta: “Não fui eu que quebrou a máquina de escrever. Também não foi eles, tenho certeza. Portanto, não acho justo você dizer que é nós quem vai pagar o conserto.”


3.    Complete com a forma verbal adequada:

a)     Uma ou outra rua__________ pavimentação. (recebeu / receberam)
b)    Nem um nem outro funcionário___________ bem ao público. (atende / atendem)
c)     Meus vizinhos e eu sempre ____________ um bom relacionamento. (tiveram / tivemos)
d)    Nem o rádio nem a televisão _____________ o livro. (substitui / substituem)
e)     Tanto cinema quanto teatro me ___________ bastante. (distrai / distraem)
f)     Nem eu nem ele o ______________. (suporta / suportamos / suportaram)
g)    Matemática ou Física ___________ um raciocínio bem formado. (exige / exigem)
h)     Tu e meus amigos ___________ no mesmo ônibus. (irás / iremos / irão)
i)      Nem eu, nem você, nem ninguém _________ entendê-lo. (poderá / poderão / poderemos)
j)      O  professor de Português com seus colegas __________ a favor da  greve dos alunos. (manifestou-se / manifestaram-se)
k)     Fomos nós quem o _________. (chamou / chamamos)
l)      Fomos nós que o ___________. (chamou/ chamamos)
m)   ___ dez horas da manhã. (é / são)
n)     Tudo ____ contradições na vida. (é / são)
o)    O relógio ____ cinco horas. (deu / deram)
p)    _____cinco horas no relógio. (deu / deram)
q)    _____ cinco horas no relógio. (Bateu / Bateram)
r)      _____ ser uma hora e dez minutos. (Deve / Devem)
s)     Qual de nós _________ sair mais cedo? (poderá / poderemos)
t)      Cerca de duas turmas se _____________ completas. (apresentou / apresentaram)
u)     Era um dos que se _____________. (esforçou /esforçaram)
v)     Grande parte dos cariocas _____________ em apartamento. (vive / vivem)
w)    ___________ construir estas casas. (Custou-nos / Custamos a)
x)     Fomos nós três que _____________. (falaram / falamos)
y)     ____________ eu e você esta difícil matéria. (Aprenderei / Aprenderemos)
z)     Qualquer um de vocês _________ boa prova. (fará / farão)


4.    Como no exercício anterior:

a)    Muitos de vós __________ aprovados. (serão / sereis)
b)    É uma das obras que o _________. (lançou / lançaram)
c)    Fui um dos que ____________. (aprendi / aprenderam)
d)    Menos de duzentos alunos ____________. (compareceu / compareceram)
e)    __________ dez horas. (São / Devem ser)
f)     _______ meio dia. (Deve ser / Devem ser)
g)    _______ uma e meia. (Podem ser / Pode ser)
h)    _______ meia noite. (Bateu / Deu / Soou)
i)      _______ duas horas. (Bateu / Deu / Soaram)
j)      _______ relógio deram duas horas. (O / No)
k)    _______ relógios bateram meio dia e vinte. (Os / Nos)
l)      _______ relógios soaram dez batidas. (Os / Nos)

5.    Complete as lacunas com o verbo ser.

a)    Ele ________ as preocupações do pai. (eram / era)
b)    Tudo ______alegrias. (é / são)
c)    Já ______ meio-dia e meia. (é / são)
d)    Três mil reais _____ pouco. (é / são)
e)    _____ cinco horas. (É / São)
f)     Hoje ___ trinta de janeiro. (é / são)
g)    _______ uma hora e cinquenta minutos. (É / São)
h)    Tudo ______ facilidades. (será / serão)
i)      Nada ____ facilidades. (será / serão)
j)      Até a sua casa ____ duzentos metros. (é / são)
k)    Hoje _____ 28 de fevereiro. (é / são)


Concordância Nominal

            O adjetivo e as palavras adjetivas (artigo, numeral e pronome adjetivo) variam em gênero e número, de acordo com o gênero e o número do substantivo ao qual se referem: Trata-se de um inverno florido  e  fértil.


CONCORDÂNCIA DO ADJETIVO COM O SUBSTANTIVO

Casos especiais:

1.    O  adjetivo referente a vários substantivos:

a)    quando posposto e de gêneros diferentes, concorda com o mais próximo ou fica no masculino plural: Dedicava todo seu tempo ao comércio e à navegação costeiros (ou costeira).

b)    quando anteposto, concorda com o mais próximo, se funcionar como adjunto adnominal; se predicativo, do sujeito ou do objeto, pode concordar com o mais próximo ou ficar no plural.
Ex.:  Nunca vi tamanho desrespeito e ingratidão.
         Permaneceu  fechada a janela e o portão.
         Encontrei  abandonados  a  sala e o pátio.

2.    Dois ou mais adjetivos referentes a um substantivo determinado por artigo admitem duas concordâncias.
Ex.: Estudo as línguas italiana e francesa.
        Estudo a língua italiana e a francesa.

3.    Adjetivo (predicativo do sujeito) referente a sujeito de sentido genérico fica sempre no masculino singular.
Ex.: É proibido entrada.
        Fruta é bom para a saúde.
OBS.: Se o sujeito for determinado por artigos ou pronomes, faz-se a concordância normal: É proibida a entrada. É necessária sua compreensão.

4.    Algumas palavras como BASTANTE, MEIO, POUCO, MUITO, CARO, BARATO, LONGE, SÓ:
a)    com valor de adjetivo, concordam normalmente com o substantivo: Já é meio-dia e  meia (hora).

b)    com valor de advérbio, são invariáveis:  A porta, meio aberta, deixava ver o interior da sala.


5.    Os adjetivos ANEXO, OBRIGADO, MESMO, PRÓPRIO, SÓ, INCLUSO, LESO, QUITE concordam, normalmente, com o substantivo: Seguem anexas as notas fiscais.  Muito obrigada, disse ela.

OBS.: Os advérbios menos, só alerta, bem como a expressão em anexo são sempre invariáveis: Remeto, em anexo, as notas fiscais. Tome sorvetes com menos calorias.

6.    O adjetivo POSSÍVEL nas expressões superlativas o mais possível, o melhor possível, o menos possível, o pior possível, concorda em número com o artigo: Os alimentos eram o mais baratos possível  (ou os mais baratos possíveis).

Exercícios

1.     Complete os espaços com a devida concordância das palavras indicadas entre parênteses:
a)     O leitor pulou ______ capítulos e páginas, porque achou o livro muito grosso. (longo)
b)     O poeta escreveu capítulos e páginas__________. (compacto)
c)     O advogado considerou ____________ o argumento e a decisão. (perigoso)
d)     “Os cavalos, metidos até _____ canela na correnteza, dobravam o pescoço.”(meio)
e)     Os fugitivos caminhavam lentamente, _______ ao perigo. (alerta)
f)      Comprei uma motocicleta e um apartamento _________. (usado)
g)     Elas__________ providenciaram os atestados, que enviaram ______ às procurações, como instrumentos ___________ para os fins colimados. (mesmo, anexo, bastante)
h)     Os soldados cometeram um crime de ______ patriotismo. (leso)
i)      Os alunos e as alunas ___________ pretendem fazer um baile e um churrasco __________ agradáveis. (aprovado, bastante)
REGÊNCIA

            Regência é a parte da gramática que estuda a relação de dependência entre termos da oração, verificando se um termo pede ou não complemento.

REGÊNCIA VERBAL

            Indicamos , a seguir,  uma lista de verbos que apresentam problemas com relação à regência. Muitos desses problemas ocorrem porque o uso popular não está de acordo com a norma culta ou pelo fato de um verbo poder apresentar mais de uma regência.

CHEGAR / IR

            Os verbos chegar e ir pedem preposição a  para indicar o lugar a que se quer chegar ou ir.

            Nós chegamos cedo a Florianópolis.
            Na próxima semana, iremos a Petrópolis.

            Devem ser evitadas, portanto, as construções em que esses verbos aparecem com a preposição em.

            Cheguei cedo à escola. (e não na escola)
            Vou ao cinema. (e não no cinema)

NAMORAR

            O verbo namorar é transitivo direto(quem namora, namora alguém), portanto , deve-se evitar o seu emprego com a preposição com.
João namora Luciana.(e não com Luciana)
Pedro está namorando aquela menina.( e não com aquela m..)

OBEDECER 

            O verbo obedecer é transitivo indireto, exigindo a preposição a (quem obedece, obedece a alguém ou a alguma coisa).
            Ele obedecia às leis antigas.
            O filho obedece ao pai.

PREFERIR

            O verbo preferir exige dois complementos: um sem preposição e outro com a preposição a (quem prefere, prefere alguma coisa a outra).

            Prefiro cinema a teatro.
            Prefiro estudar a trabalhar.
            Prefiro Jesus ao mundo.

SIMPATIZAR

            O verbo simpatizar é transitivo indireto, exigindo complemento com a preposição com (quem simpatiza, simpatiza com alguém ou com alguma coisa).

            Simpatizei com aquela aluna.
            Nós simpatizamos com a idéia do professor.

            OBS.: Deve-se evitar construções como:

            A aluna simpatizou-se com o novo professor.

ASPIRAR

            É transitivo direto quando significa inspirar, sorver, tragar.
            Aspirava o perfume da flor.
            Em Fragoso, aspira-se um ar puro.

É transitivo indireto quando significa pretender, desejar, almejar.

            Aspiramos a um cargo melhor.
            Aspiramos a uma vida melhor.

OBS.: No uso efetivo do português do Brasil, esse verbo é empregado como transitivo direto.

            Todos os candidatos aspiram subir a rampa do Planalto.



ASSISTIR

É transitivo indireto quando significa ver, presenciar; caber, pertencer.

            O dia seguinte era livre para assistir a uma corrida de          cavalos.
            É um direito que assiste a todos os alunos.

É transitivo direto quando significa ajudar, socorrer, prestar assistência.

            O médico assiste o doente.
            Aquela instituição assiste os trabalhadores.

OBS.: No uso efetivo do português do Brasil, esse verbo é empregado como transitivo direto.
           
            Já podemos assistir belos filmes em vídeo.
            Os alunos que não assistem aulas serão prejudicados.


ESQUECER / LEMBRAR
            Admitem duas construções:

1.    Verbo transitivo direto + objeto direto.

Esqueci o seu nome.
Lembrei o seu nome.

2.    Verbo pronominal + preposição de + objeto indireto.

Esqueci-me do seu nome.
Lembrei-me do seu nome.

Vamos praticar?

I.Complete com a preposição A, quando necessária, tendo em vista a regência do verbo.

1.    A turma assistiu ___ o desfile.
2.    O professor assiste, com prazer, ____ esta turma.
3.    Assiste ____ o professor o direito de corrigir o exercício.
4.    As enfermeiras assistiram com eficiência ___ o aluno adoentado.
5.    Aspiramos ___ o ar puro da montanha.
6.    Os candidatos aspiravam ___ o emprego rendoso.
7.    Muitos funcionários aspiram ___ uma rápida promoção.
8.    O beija-flor aspirava ___ o perfume do crisântemo.
9.    O caixa acabou de visar ___ o cheque do cliente.
10.  Visar ___ o alvo é dever do atirador.
11.  Visamos ___ um mundo de paz.
12.  Os atacantes só visavam ___ o lado direito do goleiro adversário.
13.  Ninguém visava ___ essa carreira, apesar da sua importância.
14.  Aspirava ___ o poder e não o conseguiu.
15.  Assistiu pela televisão ___ o festival de música popular.

II. Complete com O ou DO e flexões.
1.     Lembrou ___ tempo de infância.
2.     Lembrou-se ___ tempo de infância.
3.     Lembrou-lhe ___ tempo de infância.
4.     Não se esqueça ___ trabalhos domiciliares.
5.     Nunca esqueça ___ trabalhos domiciliares.
6.     Não consigo lembrar ___ tua recomendação.
7.     Jamais poderei esquecer-me ___ teus valiosos conselhos.
8.     Hei de me lembrar ___ aulas de português

III. Complete com a preposição adequada, quando necessário.
1.     Avisou o aluno ___ que não poderia sair cedo.
2.     Proibiu o aluno ___ sair cedo.
3.     Permitiu ao aluno ___ sair cedo.
4.     Aconselhou a turma ____ que se esforçasse mais.
5.     Informo a todos ____ que a prova foi adiada.
6.     Encarreguei o inspetor ____ cuidar da disciplina.
7.     Certificou o professor ___ que iria esforçar-se mais.
8.     O professor certificou o coordenador ___ que a prova seria amanhã.
9.     Impediu o doente ___ se ausentar do hospital.
10.   O inspetor incumbiu o aluno ___ chamar a turma.

IV. Complete com a preposição adequada sempre que necessário, observando a regência.
1.     Os funcionários almejam ___ os altos cargos.
2.     Os doentes carecem ___ cuidados especiais.
3.     Os filhos prescindem ___ os conselhos dos pais.
4.     Perdoou ___ o criminoso, mas não ___ o crime.
5.     Fez referência ___ todos os bons pastores.
6.     Anuiu ___ o programa de português.
7.     Processou ___ o motorista causador do desastre.
8.     Todos felicitaram ___ o aluno.
9.     Os professores querem bem ___ o aluno.
10.  Estimo ___ os meus pais.
11.  O entrevistado aludiu ___ os problemas da igreja.
12.  Sê útil ___ o teu país.
13.  Trabalha num banco sito ___ Niterói.
14.  Todos prezam ___ os seus avós.
15.  As crianças têm medo ___ trovoada.
16.  Absteve-se ___ más companhias.
17.  Está apto ___ trabalho.
18.  Alguns são avessos ___ o trabalho.
19.  Prefiro este filme ___ o romance.
20.  Incumbiu ___ o diácono de avisar ___ o pastor.


REGÊNCIA NOMINAL

            A regência nominal consiste na relação de dependência que se estabelece entre certas palavras e alguns substantivos e adjetivos. Os elementos dependentes, na análise sintática, recebem a denominação de complemento nominal, isto é, complemento de nomes.

Abundância: de, em

            A vida de um homem não consiste na abundância do que possui
            Abundância de bens. (Lc 12:15)
            Ele tem patos e galinhas em abundância.

Acessível: a

            Trata-se de um livro acessível aos alunos.

Acostumado: a, com

            Nós estamos acostumados ao trabalho.
            Já estamos acostumados com esse jeito trapalhão.


Agradável: a, de

            Uma boa música é agradável aos ouvidos.
            Eram palavras agradáveis de se dizer e de se ouvir.

Baseado: em, sobre

            O resultado está baseado em observações gerais.
            As regras estão baseadas sobre princípios democráticos.

Benéfico: a

            O plano tem de ser benéfico ao povo.

Constituído: de, por

            Trata-se de um grupo constituído de cinco elementos.

Contemporâneo: a

            Foi uma invasão contemporânea a César.

Contíguo: a

            Nossos quartos eram contíguos ao elevador.

Curioso: de, para

            Os jornais estão curiosos das descobertas científicas.
            É um exemplar curioso para um especialista.

Desejoso: de

            Desejoso de glória, faz qualquer coisa para aparecer.

Devoto: a, de

            Era devoto de São Francisco de Assis.
            Sempre foi devoto ao príncipe.

Empecilho: a, para

            Não serei eu o empecilho à realização do evento.
            A batina não era empecilho para o padre.


Favorável: a

            Sempre fomos favoráveis a um governo forte.

Generoso: com

            Meu tio sempre foi generoso com os parentes.

Grato: a

            Ele é grato aos benefícios recebidos.
            Somos gratos a Deus.

Horror: a, de

            Sentia horror à guerra, à miséria, ao preconceito.
            Os bons têm horror de sentimentos espúrios.

Imune: a

            Estamos imunes ao vírus da fofoca.

Incompatível: com

            O preconceito racial é incompatível com a nossa origem.

Junto: a, com, de
            Ele estava sempre junto ao coreto.
            Ele foi junto com o pai à feira.
            Junto de vocês estamos seguros.

Justo: com, de, em
            Sejamos justos com nossos adversários.
            Esta é a maneira mais justa de tratar as pessoas.
            O seu discurso foi justo em essência.

Liberal: com
            Ele é muito liberal com os filhos.

Medo: a, de
            O medo ao contágio afasta muita gente do enfermo.
            Ele diz não ter medo de cara feia.

Obediência: a
            Todos devemos obediência às leis.

Ojeriza: a
Opinião: a respeito de, sobre
Oportunidade: de, para
Orgulho: de
Passível: de
Preferível: a
Prejudicial: a
Propenso: a
Próprio: de
Próximo: a, de
Residente: em
Respeito: a
Rigoroso: com, em
Saudade: de, por
Segurança: de, em
Semelhante: a
Temor: a, de
Transversal: a
Vinculado: a
Vizinho: a, de

Tipos de discurso: direto, indireto e indireto livre.


Vozes  do  discurso

 Quando  lemos  um  texto narrativo, há  um narrador,  que  é  quem  conta  o  fato. Esse locutor ou narrador  pode  introduzir  outras  vozes  no  texto para auxiliar a narrativa.

 Para  fazer  a introdução dessas outras  vozes no  texto, a voz  principal ou  privilegiada, o  narrador, usa o que  chamamos de  discurso. O  que  vem  a  ser  discurso dentro  do  texto? Discurso  é  a forma  como as  falas são inseridas na narrativa.


 O  discurso pode  ser  classificado  em: direto, indireto e indireto livre.

Discurso  direto: reproduz  fiel e literalmente algo  dito  por alguém. Um  bom  exemplo  de discurso direto são as citações ou transcrições exatas  da  declaração de  alguém.


Primeira pessoa (eu, nós) – é  o  narrador  quem  fala,  usando aspas ou  travessões para  demarcar  que  está  reproduzindo  a fala de outra  pessoa.


Exemplo de discurso  direto: “Não  gosto disso” – disse a menina  em  tom zangado.


Discurso indireto: o narrador,  usando  suas  próprias  palavras, conta  o  que  foi  dito  por  outra  pessoa. Temos  então  uma  mistura  de vozes,  pois  as  falas dos  personagens passam  pela  elaboração  da fala do  narrador.


Terceira pessoa – ele(s), ela(s) – O  narrador só  usa  sua  própria voz, o  que foi  dito pela  personagem  passa por  sua elaboração . Não  há  uma  pontuação específica que  marque  o  discurso  indireto.


Exemplo de discurso indireto: A menina  disse em  tom  zangado, que  não  gostava daquilo.



Discurso  indireto  livre:  É  um  discurso misto onde há  uma  maior  liberdade,  o  narrador  insere  a fala  do  personagem  de  forma  sutil,  sem  fazer uso  das  marcas  do  discurso  direto. È  necessário que  se  tenha  atenção  para não  confundir a fala  do  narrador  com  a fala  do  personagem,  pois  esta surge  de repente em  meio  a fala do  narrador.


Exemplo de discurso indireto  livre:
“A menina  perambulava pela  sala irritada e zangada. Eu  não gosto  disso! E parecia  que  ninguém  a  ouvia.”

 
MANUAL DE REDAÇÃO DO JORNAL
“O ESTADO DE SÃO PAULO”
Erros gramaticais e ortográficos devem, por princípio, ser evitados. Alguns, no entanto, como ocorrem com maior frequência, merecem atenção redobrada. Veja os cem mais comuns do idioma e use esta relação como um roteiro para fugir deles.
1 - "Mal cheiro", "mau-humorado". Mal opõe-se a bem e mau, a bom. Assim: mau cheiro (bom cheiro), mal-humorado (bem-humorado). Igualmente: mau humor, mal-intencionado, mau jeito, mal-estar.
2 - "Fazem" cinco anos. Fazer, quando exprime tempo, é impessoal: Faz cinco anos. / Fazia dois séculos. / Fez 15 dias.
3 - "Houveram" muitos acidentes. Haver, como existir, também é invariável: Houve muitos acidentes. / Havia muitas pessoas. / Deve haver muitos casos iguais.
4 - "Existe" muitas esperanças. Existir, bastar, faltar, restar e sobrar admitem normalmente o plural: Existem muitas esperanças. / Bastariam dois dias. / Faltavam poucas peças. / Restaram alguns objetos. / Sobravam idéias.

5 - Para "mim" fazer. Mim não faz, porque não pode ser sujeito. Assim: Para eu fazer, para eu dizer, para eu trazer.
6 - Entre "eu" e você. Depois de preposição, usa-se mim ou ti: Entre mim e você. / Entre eles e ti.
7 - "Há" dez anos "atrás". Há e atrás indicam passado na frase. Use apenas há dez anos ou dez anos atrás.
8 - "Entrar dentro". O certo: entrar em. Veja outras redundâncias: Sair fora ou para fora, elo de ligação, monopólio exclusivo, já não há mais, ganhar grátis, viúva do falecido.
9 - "Venda à prazo". Não existe crase antes de palavra masculina, a menos que esteja subentendida a palavra moda: Salto à (moda de) Luís XV. Nos demais casos: A salvo, a bordo, a pé, a esmo, a cavalo, a caráter.
10 - "Porque" você foi? Sempre que estiver clara ou implícita a palavra razão, use por que separado: Por que (razão) você foi? / Não sei por que (razão) ele faltou. / Explique por que razão você se atrasou. Porque é usado nas respostas: Ele se atrasou porque o trânsito estava congestionado.
11 - Vai assistir "o" jogo hoje. Assistir como presenciar exige a: Vai assistir ao jogo, à missa, à sessão. Outros verbos com a: A medida não agradou (desagradou) à população. / Eles obedeceram (desobedeceram) aos avisos. / Aspirava ao cargo de diretor. / Pagou ao amigo. / Respondeu à carta. / Sucedeu ao pai. / Visava aos estudantes.
12 - Preferia ir "do que" ficar. Prefere-se sempre uma coisa a outra: Preferia ir a ficar. É preferível segue a mesma norma: É preferível lutar a morrer sem glória.
13 - O resultado do jogo, não o abateu. Não se separa com vírgula o sujeito do predicado. Assim: O resultado do jogo não o abateu. Outro erro: O prefeito prometeu, novas denúncias. Não existe o sinal entre o predicado e o complemento: O prefeito prometeu novas denúncias.
14 - Não há regra sem "excessão". O certo é exceção. Veja outras grafias erradas e, entre parênteses, a forma correta: "paralizar" (paralisar), "beneficiente" (beneficente), "xuxu" (chuchu), "previlégio" (privilégio), "zuar" (zoar), "frustado" (frustrado).
15 - Quebrou "o" óculos. Concordância no plural: os óculos, meus óculos. Da mesma forma: Meus parabéns, meus pêsames, seus ciúmes, nossas férias, felizes núpcias.
16 - Comprei "ele" para você. Eu, tu, ele, nós, vós e eles não podem ser objeto direto. Assim: Comprei-o para você. Também: Deixe-os sair, mandou-nos entrar, viu-a, mandou-me.
17 - Nunca "lhe" vi. Lhe substitui a ele, a eles, a você e a vocês e por isso não pode ser usado com objeto direto: Nunca o vi. / Não o convidei. / A mulher o deixou. / Ela o ama.
18 - "Aluga-se" casas. O verbo concorda com o sujeito: Alugam-se casas. / Fazem-se consertos. / É assim que se evitam acidentes. / Compram-se terrenos. / Procuram-se empregados.
19 - "Tratam-se" de. O verbo seguido de preposição não varia nesses casos: Trata-se dos melhores profissionais. / Precisa-se de empregados. / Apela-se para todos. / Conta-se com os amigos.
20 - Chegou "em" São Paulo. Verbos de movimento exigem a, e não em: Chegou a São Paulo. / Vai amanhã ao cinema. / Levou os filhos ao circo.
21 - Atraso implicará "em" punição. Implicar é direto no sentido de acarretar, pressupor: Atraso implicará punição. / Promoção implica responsabilidade.
22 - Vive "às custas" do pai. O certo: Vive à custa do pai. Use também em via de, e não "em vias de": Espécie em via de extinção. / Trabalho em via de conclusão.
23 - Todos somos "cidadões". O plural de cidadão é cidadãos. Veja outros: caracteres (de caráter), juniores, seniores, escrivães, tabeliães, gângsteres.
24 - O ingresso é "gratuíto". A pronúncia correta é gratúito, assim como circúito, intúito e fortúito (o acento não existe e só indica a letra tônica). Da mesma forma: flúido, condôr, recórde, aváro, ibéro

25 - A última "seção" de cinema. Seção significa divisão, repartição, e sessão equivale a tempo de uma reunião, função: Seção Eleitoral, Seção de Esportes, seção de brinquedos; sessão de cinema, sessão de pancadas, sessão do Congresso.
26 - Vendeu "uma" grama de ouro. Grama, peso, é palavra masculina: um grama de ouro, vitamina C de dois gramas. Femininas, por exemplo, são a agravante, a atenuante, a alface, a cal, etc.
27 - "Porisso". Duas palavras, por isso, como de repente e a partir de.
28 - Não viu "qualquer" risco. É nenhum, e não "qualquer", que se emprega depois de negativas: Não viu nenhum risco. / Ninguém lhe fez nenhum reparo. / Nunca promoveu nenhuma confusão.
29 - A feira "inicia" amanhã. Alguma coisa se inicia, se inaugura: A feira inicia-se (inaugura-se) amanhã.
30 - Soube que os homens "feriram-se". O que atrai o pronome: Soube que os homens se feriram. / A festa que se realizou... O mesmo ocorre com as negativas, as conjunções subordinativas e os advérbios: Não lhe diga nada. / Nenhum dos presentes se pronunciou. / Quando se falava no assunto... / Como as pessoas lhe haviam dito... / Aqui se faz, aqui se paga. / Depois o procuro.
31 - O peixe tem muito "espinho". Peixe tem espinha. Veja outras confusões desse tipo: O "fuzil" (fusível) queimou. / Casa "germinada" (geminada), "ciclo" (círculo) vicioso, "cabeçário" (cabeçalho).
32 - Não sabiam "aonde" ele estava. O certo: Não sabiam onde ele estava. Aonde se usa com verbos de movimento, apenas: Não sei aonde ele quer chegar. / Aonde vamos?
33 - "Obrigado", disse a moça. Obrigado concorda com a pessoa: "Obrigada", disse a moça. / Obrigado pela atenção. / Muito obrigados por tudo.
34 - O governo "interviu". Intervir conjuga-se como vir. Assim: O governo interveio. Da mesma forma: intervinha, intervim, interviemos, intervieram. Outros verbos derivados: entretinha, mantivesse, reteve, pressupusesse, predisse, conviesse, perfizera, entrevimos, etc.

35 - Ela era "meia" louca. Meio, advérbio, não varia: meio louca, meio esperta, meio amiga.
36 - "Fica" você comigo. Fica é imperativo do pronome tu. Para a 3.ª pessoa, o certo é fique: Fique você comigo. / Venha pra Caixa você também. / Chegue aqui.
37 - A questão não tem nada "haver" com você. A questão, na verdade, não tem nada a ver ou nada que ver. Da mesma forma: Tem tudo a ver com você.
38 - A corrida custa 5 "real". A moeda tem plural, e regular: A corrida custa 5 reais.
39 - Vou "emprestar" dele. Emprestar é ceder, e não tomar por empréstimo: Vou pegar o livro emprestado. Ou: Vou emprestar o livro (ceder) ao meu irmão. Repare nesta concordância: Pediu emprestadas duas malas.
40 - Foi "taxado" de ladrão. Tachar é que significa acusar de: Foi tachado de ladrão. / Foi tachado de leviano.
41 - Ele foi um dos que "chegou" antes. Um dos que faz a concordância no plural: Ele foi um dos que chegaram antes (dos que chegaram antes, ele foi um). / Era um dos que sempre vibravam com a vitória.
42 - "Cerca de 18" pessoas o saudaram. Cerca de indica arredondamento e não pode aparecer com números exatos: Cerca de 20 pessoas o saudaram.
43 - Ministro nega que "é" negligente. Negar que introduz subjuntivo, assim como embora e talvez: Ministro nega que seja negligente. / O jogador negou que tivesse cometido a falta. / Ele talvez o convide para a festa. / Embora tente negar, vai deixar a empresa.
44 - Tinha "chego" atrasado. "Chego" não existe. O certo: Tinha chegado atrasado.
45 - Tons "pastéis" predominam. Nome de cor, quando expresso por substantivo, não varia: Tons pastel, blusas rosa, gravatas cinza, camisas creme. No caso de adjetivo, o plural é o normal: Ternos azuis, canetas pretas, fitas amarelas.

46 - Lute pelo "meio-ambiente". Meio ambiente não tem hífen, nem hora extra, ponto de vista, mala direta, pronta entrega, etc. O sinal aparece, porém, em mão-de-obra, matéria-prima, infra-estrutura, primeira-dama, vale-refeição, meio-de-campo, etc.
47 - Queria namorar "com" o colega. O com não existe: Queria namorar o colega.
48 - O processo deu entrada "junto ao" STF. Processo dá entrada no STF. Igualmente: O jogador foi contratado do (e não "junto ao") Guarani. / Cresceu muito o prestígio do jornal entre os (e não "junto aos") leitores. / Era grande a sua dívida com o (e não "junto ao") banco. / A reclamação foi apresentada ao (e não "junto ao") Procon.
49 - As pessoas "esperavam-o". Quando o verbo termina em m, ão ou õe, os pronomes o, a, os e as tomam a forma no, na, nos e nas: As pessoas esperavam-no. / Dão-nos, convidam-na, põe-nos, impõem-nos.
50 - Vocês "fariam-lhe" um favor? Não se usa pronome átono (me, te, se, lhe, nos, vos, lhes) depois de futuro do presente, futuro do pretérito (antigo condicional) ou particípio. Assim: Vocês lhe fariam (ou far-lhe-iam) um favor? / Ele se imporá pelos conhecimentos (e nunca "imporá-se"). / Os amigos nos darão (e não "darão-nos") um presente. / Tendo-me formado (e nunca tendo "formado-me").
51 - Chegou "a" duas horas e partirá daqui "há" cinco minutos. indica passado e equivale a faz, enquanto a exprime distância ou tempo futuro (não pode ser substituído por faz): Chegou há (faz) duas horas e partirá daqui a (tempo futuro) cinco minutos. / O atirador estava a (distância) pouco menos de 12 metros. / Ele partiu há (faz) pouco menos de dez dias.
52 - Blusa "em" seda. Usa-se de, e não em, para definir o material de que alguma coisa é feita: Blusa de seda, casa de alvenaria, medalha de prata, estátua de madeira.
53 - A artista "deu à luz a" gêmeos. A expressão é dar à luz, apenas: A artista deu à luz quíntuplos. Também é errado dizer: Deu "a luz a" gêmeos.
54 - Estávamos "em" quatro à mesa. O em não existe: Estávamos quatro à mesa. / Éramos seis. / Ficamos cinco na sala.

55 - Sentou "na" mesa para comer. Sentar-se (ou sentar) em é sentar-se em cima de. Veja o certo: Sentou-se à mesa para comer. / Sentou ao piano, à máquina, ao computador.
56 - Ficou contente "por causa que" ninguém se feriu. Embora popular, a locução não existe. Use porque: Ficou contente porque ninguém se feriu.
57 - O time empatou "em" 2 a 2. A preposição é por: O time empatou por 2 a 2. Repare que ele ganha por e perde por. Da mesma forma: empate por.
58 - À medida "em" que a epidemia se espalhava... O certo é: À medida que a epidemia se espalhava... Existe ainda na medida em que (tendo em vista que): É preciso cumprir as leis, na medida em que elas existem.
59 - Eles "tem" razão. No plural, têm é assim, com acento. Tem é a forma do singular. O mesmo ocorre com vem e vêm e põe e põem: Ele tem, eles têm; ele vem, eles vêm; ele põe, eles põem.
60 - A moça estava ali "há" muito tempo. Haver concorda com estava. Portanto: A moça estava ali havia (fazia) muito tempo. / Ele doara sangue ao filho havia (fazia) poucos meses. / Estava sem dormir havia (fazia) três meses. (O havia se impõe quando o verbo está no imperfeito e no mais-que-perfeito do indicativo.)
61 - Acordos "políticos-partidários". Nos adjetivos compostos, só o último elemento varia: acordos político-partidários. Outros exemplos: Bandeiras verde-amarelas, medidas econômico-financeiras, partidos social-democratas.
62 - Andou por "todo" país. Todo o (ou a) é que significa inteiro: Andou por todo o país (pelo país inteiro). / Toda a tripulação (a tripulação inteira) foi demitida. Sem o, todo quer dizer cada, qualquer: Todo homem (cada homem) é mortal. / Toda nação (qualquer nação) tem inimigos.
63 - "Todos" amigos o elogiavam. No plural, todos exige os: Todos os amigos o elogiavam. / Era difícil apontar todas as contradições do texto.
64 - Favoreceu "ao" time da casa. Favorecer, nesse sentido, rejeita a: Favoreceu o time da casa. / A decisão favoreceu os jogadores.
65 - Ela "mesmo" arrumou a sala. Mesmo, quanto equivale a próprio, é variável: Ela mesma (própria) arrumou a sala. / As vítimas mesmas recorreram à polícia.
66 - Chamei-o e "o mesmo" não atendeu. Não se pode empregar o mesmo no lugar de pronome ou substantivo: Chamei-o e ele não atendeu. / Os funcionários públicos reuniram-se hoje: amanhã o país conhecerá a decisão dos servidores (e não "dos mesmos").
67 - Vou sair "essa" noite. É este que designa o tempo no qual se está ou objeto próximo: Esta noite, esta semana (a semana em que se está), este dia, este jornal (o jornal que estou lendo), este século (o século 20).
68 - A temperatura chegou a 0 "graus". Zero indica singular sempre: Zero grau, zero-quilômetro, zero hora.
69 - A promoção veio "de encontro aos" seus desejos. Ao encontro de é que expressa uma situação favorável: A promoção veio ao encontro dos seus desejos. De encontro a significa condição contrária: A queda do nível dos salários foi de encontro às (foi contra) expectativas da categoria.
70 - Comeu frango "ao invés de" peixe. Em vez de indica substituição: Comeu frango em vez de peixe. Ao invés de significa apenas ao contrário: Ao invés de entrar, saiu.
71 - Se eu "ver" você por aí... O certo é: Se eu vir, revir, previr. Da mesma forma: Se eu vier (de vir), convier; se eu tiver (de ter), mantiver; se ele puser (de pôr), impuser; se ele fizer (de fazer), desfizer; se nós dissermos (de dizer), predissermos.
72 - Ele "intermedia" a negociação. Mediar e intermediar conjugam-se como odiar: Ele intermedeia (ou medeia) a negociação. Remediar, ansiar e incendiar também seguem essa norma: Remedeiam, que eles anseiem, incendeio.
73 - Ninguém se "adequa". Não existem as formas "adequa", "adeque", etc., mas apenas aquelas em que o acento cai no a ou o: adequaram, adequou, adequasse, etc.


Um comentário: